Andressa Cachoeira Mendonça e o índice 0,7

Foto de Rogério Nunes/Folhapress
Andressa Mendonça em foto de Rogério Nunes (Folhapress)

A Miss America representava os mais elevados ideais. Era a combinação de beleza, graça, inteligência e refinamento. O modelo que a garota americana fazia bem em copiar.

Já faz um bom tempo que as mulheres passaram a ser admiradas por outros predicados, mas a equação 90-60-90 não muda.

Trata-se de uma conta imprecisa, são apenas valores de referência, grandezas de proporção não muito rígidas — apesar da lenda de que Martha Rocha teria perdido o Miss Universo em 1954 por cinco centímetros.

Quando uma determinada moça caminha pela rua, o que desperta a atenção do heterossexual masculino é o instinto. Ele fica confuso, não sabe identificar muito bem o que é. Mas a explicação para o tal instinto é provavelmente o índice 0,7.

Se você divide os 60 de cintura pelos 90 de quadril (padrão Miss America) chega ao coeficiente 0,66.

O da Juliana Paes (89-69-99) é 0,69 e a Cléo Pires (83-63-90) é uma autêntica 0,7. Ou seja, o índice 0,7 é o modelo que toda garota hoje acha que faz bem em copiar.

Ou para citar um trecho da reportagem dos colegas Alexandre Versignassi e Nina Weingrill em Superinteressante:

“O instinto dos homens sabe disso, então eles ficam excitados só de ver uma proporção assim. E aí vale aquela regra da simetria: a cabeça extrapola isso e entende que “quanto mais fina a cintura e maior o quadril, melhor”.

Pesquisas mostram que os homens gostam mais das que têm uma proporção de 70% ou menos. Faz sentido: os 90-60-90 (90 cm de busto, 60 cm de cintura e 90 cm de quadril) que os concursos de misses consideram como ideal de beleza representam 66%. A Mulher Melancia, capa da Playboy mais vendida no ano, tem 64% (75 x 119 cm). 

O psicólogo Devendra Singh, da Universidade do Texas, mediu 286 esculturas antigas de mulheres, vindas da Ásia, da África e da Europa, e viu que a proporção entre cintura e quadril nas obras ficava nessa faixa.”

O que explica, em parte, o fato de Andressa “Cachoeira” Mendonça ter se transformado numa espécie de fetiche nacional é o índice 0,7. As outras partes, bem, você conhece muito bem.

——-

Leia:

Análise semiótica da sexta — Barbara Evans

O talento e a graça de Kathy Ferreiro

Theodoro, meu menino biônico [vídeo]

365 dias de literatura e erotismo com Janaina Rico

3 comentários sobre “Andressa Cachoeira Mendonça e o índice 0,7

  1. Olha a mentalidade do brasileiro… Escreve um post pra enaltecer as curvas da p..u.t.a que está gastando o nosso dinheiro. Vivendo as custas de dinheiro publico, que construiria creches,hospitais…etc se não fosse para o ralo da corrupção. Há tanta mulheres bonitas e com belíssimas curvas nas praias brasileiras,e o melhor não vivem as custa de dinheiro sujo da corrupção. Pra que dá credito pra v_a_c_a do Cachoeira que não tem moral? No Brasil é tudo ao contrário,o bandido que é aplaudido, quem é honesto é humilhado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s